.

Jovens não estão convencidos da importância do tratamento para depressão, aponta pesquisa

Os jovens brasileiros sabem pouco sobre a depressão, sentem vergonha de falar sobre o assunto e não estão convencidos da importância do tratamento. Estes são os principais resultados de um novo levantamento feito pelo Ibope Conecta como parte da campanha “Na direção da vida — depressão sem tabu”.

Os dados mostram também que os preconceitos diante do tema são mais frequentes entre os homens, justamente o público com maior vulnerabilidade ao suicídio, que pode ter como um de seus fatores de risco a depressão. Quase um terço (29%) dos homens, segundo o levantamento, não sabem que depressão não é um “sinal de fraqueza” ou falta de força de vontade.

A pesquisa foi realizada com mais de duas mil pessoas, em várias regiões do Brasil, por meio de um questionário online respondido por diferentes faixas etárias: de adolescente a idosos, de 13 a mais de 55 anos.

Uma doença altamente incapacitante, que rouba o rendimento, leva sofrimento, mas que tem prognóstico bom. Caso haja tratamento correto, que envolve uso de medicamento, psicoterapia e mudança de hábitos, tem alívio de 70% dos sintomas — aponta o neurologista Leandro Teles, autor do livro recém-lançado “Depressão não é fraqueza”. — É um problema da programação do cérebro. Os transmissores cerebrais funcionam de forma errada. A serotonina, dopamina e noradrenalina estão funcionando mal. Um cérebro saudável tem esse mecanismo de recompensa e prazer. Na depressão, perde-se isso. E vai ficando cada vez mais parada, até levar aos casos de incapacitação grave e até ao pensamento suicida.

Fonte: O Globo