.

Vereador Romildo perde equilíbrio e age de forma antiética na Câmara

O que se espera de um vereador, agente político eleito pelo povo, é que ele represente, de forma imparcial, os interesses da população perante o poder público. Ou pelo menos esse deveria ser o objetivo de uma pessoa escolhida como representante do povo.

Mas parece que legislar e fiscalizar não é o suficiente para o vereador Romildo Rodrigues, de Tobias Barreto. Durante sessão nesta terça-feira, 27, o parlamentar - que é presidente da Casa – levou a público uma informação particular do colega Gilson Ramos, conhecido como “Gata Amarrada”, numa tentativa frustrada de atingi-lo.

Usando de um espaço que deveria ser sagrado em respeito à Casa Legislativa e sua finalidade, Romildo expôs e cobrou de Gilson, diante de todos os presentes, uma dívida financeira - que é com uma terceira pessoa e nada tem a ver com a administração pública. Ou seja, no popular, nem era “da conta dele”.

Enfim, Gilson se sentiu constrangido, ganhou a solidariedade dos demais vereadores e informou que tomará as providências cabíveis junto à Comissão de Ética e ao Ministério Público. O comentário, após o corrido, foi que o presidente Romildo Rodrigues confundiu a Câmara de Vereadores com uma esquina qualquer ou uma mesa de bar.

Fonte: Coluna A Parte / JL Política